Veneza em um dia: Palácio Ducal e Galerias da Accademia

Panorâmica

Pacote Combo Galerias da Accademia + Bilhete Cumulativo Palácio Ducal - Museo de Praça San Marco: Visite dois dos símbolos de Veneza, as Galerias da Accademia e Palácio Ducal,em um dia dia!
Escolha no calendário o horário preferido para a visita às Galerias da Accademia; confirmaremos o horário disponívele mais proximo ao selecionado na mesma data, reservando também o bilhete para o Palácio Ducal com um horário conpatível (um na parte da manhã, outro na parte da tarde).


NOTA: O Bilhete para o Palácio Ducal - Museus de praça San Marco inclui 1 ingresso para os seguintes museus, válido por 3 meses:

  • De 1° de novembro a 31 de março: Bilhete para Os Museus de Praça San Marco: um único bilhete válido para Palácio Ducal - Museu Correr - Museo Arqueológico Nacional e Salas Monumentais da Biblioteca Nacional Marciana.
  • De 1° de abril a 31 de outubro : Bilhete San Marco Plus: Bilhete para Os Museus de Praça San Marco (bilhete válido para Palácio Ducal - Museu Correr - Museo Arqueológico Nacional e Salas Monumentais da Biblioteca Nacional Marciana. ) + 1 dos museus Cívicos Venezianos a sua escolha.

ATENÇÃO: se o horário reservado não estiver disponível, será confirmado automaticamente o horário mais próximo na mesma data. Os ingressos serão confirmados segundo disponibilidade do museu. O horário poderá ser qualquer um durante o tempo de abertura do museu.

ATENÇÃO: Você receberá um voucher para as Galerias da Accademia e um Cumulativo para Os Museus de Praça San Marco. Ambos deverão ser imprimidos e apresentados no guichê de reservas dos museus 15 minutos antes do horário confirmado.

A reserva deverá ser efetuada 1 dia útil antes da data desejada. Máximo 30 pessoas por grupo.

O QUE VOCÊ PRECISA SABER ANTES DE RESERVAR

IMPORTANTE: após ter completado sua reserva com sucesso, irá receber dois e-mails: o primeiro (imediatamente após a reserva) será a copia de seu pedido e o segundo (um dia útil após a reserva ou na Segunda-feira se o pedido for feito na Sexta-feira ou final de semana) com o Voucher que deverá ser imprimido e apresentado ao museu 15 minutos antes do horário confirmado. Favor completar corretamente o formulário com enderço e-mail e verificar que os filtros anti-spam e antivírus não estejam bloqueando o correio eletrônico do nosso endereço [email protected] Especial atenção aos usuários de AOL e Sbcglobal.net. O voucher estará disponível em sua conta um dia útil após o pedido.

ATENÇÃO: se o horário reservado não estiver disponível, será confirmado automaticamente o horário mais próximo na mesma data. Os ingressos serão confirmados segundo disponibilidade do museu.

Política de cancelamento

Uma vez confirmada a visita, não será possivel modificar ou cancelar.

Horários de abertura

Gallerie dell'Accademia:
Da lunedí a domenica: 8:15 - 17:45

Palácio Ducal:
de 1° de novembro a 31 de março das 8:30 às 17:30
de 1° de abril a 31 de outubro das 8:30 às 19:00

Galeria da Accademia: informações úteis

Endereço: Campo della Carità, nas imediações da Ponte da Accademia. Dorsoduro n. 1050 - Veneza

Horários de Abertura:

Segunda-feira das 8.15 às 14.00 (última entrada às 13.15)
De terça-feira a domingo das 8.15 às 19.15 (última entrada às 18.30)
Fechado nos dias: 1° de janeiro, 1° de maio, 25 de dezembro

Como chegar:

Vaporeto ACTV: Linha 1 ou Linha 2 - parada Accademia

A pé: previsão de 30 a 40 minutos de P.le Roma (Parking) ou da Estação ferroviária de Veneza - Santa Lucia

Palácio Ducal e Os Museus de Praça San Marco Museum Pass: informações úteis


San Marco 1, 30124 Veneza. Ingresso para o público: Porta del Frumento, Piazzetta San Marco

Horários de Abertura:

  • de 1° de novembro a 31 de março das 8:30 às 17:30
  • de 1° de abril a 31 de outubro das 8:30 às 19:00

Ingresso permitido até uma hora nates do fechamento.

Fechado dia 25 de dezembro e 1° de janeiro

Como chegar:

De Trem

no Deck da Estação Ferroviária FS de Veneza - S. Lucia você encontrará o embarcadero que dará acesso aso vaporetos: Linha 1, Linha 2, Linha 51, Linha 41, parada Vallaresso ou San Zaccaria; Linha 2, Linha 1, parada Vallaresso ou San Zaccaria;

De Carro

do estacionamento Piazzale Roma: vaporetos: Linha 51, Linha 41 San Zaccaria; Linha 2, Linha 1, parada Vallaresso ou San Zaccaria;

do estacionamento Tronchetto: vaporetos: Linha 2, parada Vallaresso ou San Zaccaria;

do estacionamento Punta Sabbioni: para chegar a Veneza: Linha 1214, parada San Zaccaria

do Lido: ao embarcadero de S.M.Elisabetta vaporetos: Linha 1214, Linha 51, Linha 52, parada San Zaccaria; Linha 1, parada Vallaresso

De avião

chegada do aeroporto ao Piazzale Roma com ônibus de Linha 5 ACTV, ou navetta (Van) Air Terminal ATVO; em seguida vaporetos: Linhas 51, Linhas 41, parada San Zaccaria; Linha 2, Linha 1, parada Vallaresso ou San Zaccaria;

chegada do aeroporto com serviço Alilaguna: para chegar a Veneza utilizar a Linha BLU, AEROPORTO-S.Marco, parada San Zaccaria

Veneza em um dia: Palácio Ducal e Gallerias da Accademia

Galerias da Accademia

As Galerias da Academia constituem uma importante coleção de pinturas venezianas do século XIV ao XVIII , com obras primas famosas de maestros como Bellini, Giorgione, Carpaccio, Tiziano, Tintoretto, Veronese e Tiepolo.

Com a suspesão das congregações religiosas e das magistraturas públicas venezianas, foram confiscadas muitas obras de arte. Uma seleção foi enviada à sede do poder central de Paris, para serem expostas no Louvre.

Em Veneza muitas pinturas de alta qualidade, principalmente da escola local do século XIV ao XVIII , ficaram protegiadas das perdas e vendas na pinacoteca da Academia, que tinha como função principal recolher material didatico para a formação de jovens artistas. Ao tentar garantir uma visão geral da arte nacional, a Academia tentou comprar obras de outras grandes escolas de pintura italianas, mas no final do século, preferiram dar privilégio à produção de sua região.

A Academia dos Pintores e Escultores de Veneza, criada em 1750, tinha como sede o Fonteghetto della Farina in San Marco, mas em 1807 o governo napoleônico escolheu como sede da Academia das Belas Artes de Veneza o compêndio da Caritá (da Caridade), formado pela antiga igreja de Santa Maria da Caridade, do Convento dos Canônicos Lateranenses e da Escola grande de Caridade.

Em 5 de novembro de 1807 abriu-se uma nova sede da escola e em 10 de agosto de 1817 a pinacoteca foi aberta ao público. Os primeiros núcleos de coleções eram constituidos por obras transferidas da velha Academia, algumas pinturas da Escola da Caridade e a coleção de gessos Farsetti. Algumas pinturas foram devolvidas a França, outras foram retiradas, por medida de segurança, por igrejas venezianas como a de San Giobbe. O museu ampliou suas coleções com a chegada de financiamentos privados e as doações comprando obras significativas.

O projeto de ampliação começou em 1819 e terminou em 1856. Construiram-se dois grandes salões no lado esquerdo do convento paladiano e entre os ambientes foram colocadas quatro colunas de mármore. Em 1829 ampliou-se o convento e em 1830 foram substituidos na fachada os símbolos da Caridade com os da Academia. A grande aula no terreo foi dividida para dar à Galeria uma entrada independente da Escola.

Em 13 de Maio de 1882 a Galeria da Academia e a Escola ficaram independentes uma da outra. Em 1895 foram reorganizadas radicalmente as galerias. Foram eliminados os artistas de 1800 e tentaram expor obras em ordem cronológica. As pinturas de 1400 foram compactadas entre elas e algumas coleções foram organizadas em forma de poligonos para dar uma idéia de continuidade pitorica. As Galerias tornaram-se independentes definitivamente da Escola e da Accademia em março de 1906.

Entre 1945 e 1948 as pinturas foram selecionadas e as molduras não origianais foram removidas, expostas na altura dos olhos do visitante e organizadas seja do ponto de vista estilistico que cronológioco. O projeto de reorganização das salas continuou até os anos 50 sob supervisão de Carlo Scarpa, revelando uma grande coerência formal, criando um rigor artístico nunca visto antes.

A ligação das Galerias da Academia com a cidade de Veneza é muito importante: as salas contém muitas obras de arte que provem de igrejas, escolas e magistraturas públicas, que ajudam os visitantes a compreender o significado que o pintor trasmitia numa determinada obra. Em alguns casos, as obras de arte expostas nas Galerias são a única prova da esistência de igrejas que foram demolidas no periodo napoleonico e alguns dos quadros mais famosos de casas privadas foram doados por ilustres colecionadores venezianos. A diretoria do museu continua a incrementar suas coleções comprando obras através de orgãos competentes do setor.

Palácio Ducal

Podemos dizer que o Palácio Ducal é uma obra de arte da arte Gótica, estruturada em camadas de elementos construtivos e ornamentais: das antigas fundações de 1300, do renascimento aos famosos sinais manieristicos.

É formado por três grandes volumes que incorporaram e unem construções já existentes: a ala em direção do Bacino di San Marco, que é a mais antiga e contém a ¨Sala del Maggior Consiglio¨ (Sala do Conselho Maior); a ala em direção à Praça (onde antigamente havia o Palácio de Justiça), com a ¨Sala dello Scrutinio¨; e a ala renascimental, onde encontra-se a residência do doge com muitas salas de escritórios do governo.

A entrada é atravéz da ¨Porta del Frumento¨ (Porta do Trigo) e leva ao pátio por onde tem-se acesso às quatro alas. A pequena faichada de mármore com relógio foi reformada em 1615. No centro do pátio encontram-se dois poços em bronze do XVI século. As duas alas mais antigas do palácio tem faichadas simples e sérias, no entanto na ala renascimental notamos uma decoração mais rica, nos fundos ha a Escada dos Gigantes, antiga entrada de honra, com duas estátuas colossais de Marte e Nettuno, esculpidas por Sansovino em 1565, símbolo da força de Veneza por terra e por mar.

A escada criada por Antonio Rizzo é contígua ao Arco construido por vontade do Doge Francesco Foscari, um verdadeiro arco triunfal, com faixas alternas de pedras de Istria e mármore vermelho de Verona e é ligada à ¨Porta della Carta¨ (Porta de Papel) através do hall Foscari, onde hoje em dia, no percurso de visita, encontra-se a saída do palácio. À direita da escada dos Gigantes encontra-se o ¨Cortile dei Senatori¨ (Pátio dos Senadores), onde estes esperavam as reuniões do governo. Na mesma ala do palácio, do lado oposto, encontra-se a larga ¨Scala dei Censori¨, por onde começa o percurso de visita dos andares superiores.

No térreo encontra-se os serviços ao público e o Museu da Opera, a área das antigas cozinhas do Doge e a sede para mostras. A Opera era uma espécie de escritório técnico predisposto à manutenção do palácio e a administração de reformas. O Museu da Opera contém em seis salas características arquitetonicas do Palácio, entre estas os capitéis substituidos por cópias em uma importante reforma em 1875. Os capitéis são uma parte preciosa de esculturas que enriquessem as fachadas medievais, como um discurso alegórico, religioso, moral e político.

O primeiro andar, chamado ¨Logge¨, permite uma volta ao longo das três alas este, sul e oeste do palácio, com uma vista sugestiva em direção do pátio da Pracinha de San Marco. Neste andar encontra-se a ¨Soprintendenza per i Beni Ambientali e Architettonici di Venezia¨ e alguns escritórios da direção dos Museus Cívicos venezianos.

Podemos ir em frente através da ala Renascimental em direção da ¨Scala D´Oro¨ (Escada de Ouro); nesta sala encontram-se vários escristórios da magistratura. Nas paredes estão cravadas várias bocas de leão, onde eram introduzidas denúncias de crimes e desfalques; estas caiam na caixa de madeira que se abria no escritório encarregado a resolver aquela determinada denúncia. Aqui encontram-se também duas sepulturas: uma de 1362 periodo do papado de Urbano V, promissor de indulgências aos que fazem caridade aos presos, a outra foi criada por Alessandro Vittoria como recordação da visita a Veneza de Enrico III de França em 1574. O acesso a Escada de Ouro foi decorado com mármore e realizado por Tiziano Aspetti e representam Atlas que segura a abóbada celeste e Ercole que mata Idra.

Os apartamentos do doge encontram-se na área do Palácio entre o ¨rio della Canonica¨ (via acquea d´ingresso), a Escada de Ouro e a abside da Basílica de San Marco. O ponto mais importante do apartamento era caracterizado por um ambiente prestigioso mas não muito grande, considerando que os quartos mais perto da Escada de Ouro exerciam uma função um pouco privada e um pouco pública. Na área privada do apartamento o doge retirava-se no final do dia para jantar e passar a noite com familiares.

Entre o primeiro e o segundo andar, do hall quadrado podemos visitar ¨Stanze Istituzionali¨ (Quartos Istitucionais), onde se desenvolvia a vida política e administrativa da república. Aqui encontram-se as principais salas dos orgãos do governo da república de Veneza: o Maior Conselho, o Senado, o Colégio e as mais importantes magistraturas da justiça, do Conselho dos Dez às Quarantie. Em todas as salas a decoração é coerente com a função do escritório que lá funcionava.

O Palácio Ducal era sede de todos os istitutos governativos da República e da Justiça, inclusive locais de pena e detenção. Da segunda metade de 1500 iniciou a construção de um novo Palácio, completamente destinado para uso carcerário, com salas para os magistrados de ¨Notte al Criminal¨. A contrução destas Novas Prisões tinha como objetivo a melhora das condições de vida dos detentos, com celas maiores, iluminadas e ventiladas.
Cada cela era revestida, segundo a tradição, com traves em madeira cruzadas entre elas e chumbadas à parede e no piso. As Novas prisões representavam um dos primeiros exemplos de construção por blocos isolados, com uma só função, destinada à pisão do Estado.

A visita continua através dos dois andares de baixo e o pátio das prisões, onde pode-se admirar a coleção de cerâmicas que provem de escavos arqueológicos daquela área. Este percurso nos levará à ¨Ponte dei Sospiri¨(Ponte dos Suspiros) e a ¨Sala dei Censori¨.

A Ponte dos Suspiros foi realizada em 1614 para juntar o Palácio Ducal ao edifício das Novas Prisões. Fechada e coberta, é formada por dois corredores separados por uma parede. Um liga as Prisões às salas dos Magistrados da Lei e a ¨Quarantia Criminal¨ ao andar nobre do Palácio Ducal; o outro, comunica as Prisões com as ¨Sale dell´Avogaria¨e com o ¨Parlatoio¨. Os dois corredores são ligados pela escada de serviço que dos ¨Pozzi¨(Poços) sobem até os ¨Piombi¨ (Chumbo). O célebre apelido de Ponte dos Suspiros vem desde a época romantica e se refere ao supiro que o prisioneiro da ao sair do tribunal do Palácio e atravessa a ponte para alcançar a cela onde descontará sua pena, podendo ver, atravéz de pequenas janelas, a liberdade.

As Salas das Armas constituem hoje um precioso museo de armas e munições. O seu núcleo é documentado desde o XIV século, nos tempos da República estava sob responsabilidade do Conselho dos Dez e caracterizado por ferramentas bélicas prontas para serem usadas pelos soldados de guarda do Palácio, que por sua vez eram muito qualificados e organizados. A coleção de armas, enriquecida por relíquias, foi parcialmente perdida após o final da República. Hoje em dia a coleção é de aproximadamente duas mil peças.

Detalhes do preço

horário

Share this Service